Associação Nacional de Direito ao Crédito

Associação Nacional de Direito ao Crédito

Riscos e oportunidades

Para pensar o processo empreendedor, propomos uma compreensão do risco enquanto probabilidade de ocorrência de um determinado evento. Uma probabilidade ponderada pela perceção da magnitude das recompensas ou prejuízos associados ao evento. De uma forma mais simples, o risco contém simultaneamente em si a possibilidade de sucesso e ou de fracasso, a dimensão de oportunidade e de insucesso, sendo que a estimativa de cada um destes aspetos influencia (e é influenciada por) a sua concretização na realidade.

Assim, falar de risco leva-nos necessariamente a pensar, por um lado, na possibilidade de insucesso, por outro lado, remete-nos para a noção de oportunidade. Num contexto de empreendedorismo, oportunidade é qualquer ideia, crença e ação capaz de criar bens e/ou serviços na ausência de mercados atuais para os mesmos. É frequente que estas oportunidades sejam identificadas pelos empreendedores em “zonas de limbo” – associadas a contextos inesperados e de mudança, desde a mudança demográfica e cultural, a mudanças ligadas ao conhecimento. Muitas vezes, é também no intervalo criado pela contradição entre determinadas expectativas e uma concretização que não lhes corresponde, que o empreendedor cria oportunidades.

Voltando à ideia de risco, se pensarmos os elementos relevantes para o sucesso do negócio, a partir da distinção entre os fatores internos – aspetos intrinsecamente associados ao negócio, quer por via das características do produto ou serviço proposto, quer por se constituírem como parte do perfil do empreendedor, que compreende os seus conhecimentos, capacidades e atitudes – e fatores externos, em que incluímos todos os fatores fora do controlo direto do empreendedor e capazes de influenciar o negócio, percebemos que qualquer elemento poderá facilitar ou desincentivar a iniciativa empresarial, pela sua presença/ausência ou adequação à situação específica.

Identificamos em seguida, alguns dos elementos de que falamos:

Fatores internos relevantes:

  • Características e preço do produto/serviço em função das necessidades do consumidor e do mercado
  • Elementos diferenciadores do produto/serviço face à oferta da concorrência
  • Promoção/divulgação do produto/serviço
  • Localização, funcionalidade e atratividade do ponto de venda
  • Experiência no ramo/área de negócio
  • Formação profissional na área de negócio
  • Motivação e capacidade de iniciativa
  • Capacidade de aprender com os erros e experiência passada

Fatores externos relevantes:

  • Condições económicas /de mercado (consumo, fornecimento, concorrência)
  • Acessibilidade aos recursos identificados como relevantes
  • Elementos relativos ao enquadramento legal e aspetos administrativos do negócio
  • Incentivos e apoios específicos destinados ao negócio
  • Rede de apoio familiar/social
  • Cultura de empreendedorismo

Numa proposta de análise SWOT, entendemos que, quando configurados positivamente, os fatores internos constituem-se como forças a utilizar, enquanto os externos representam oportunidades a aproveitar. Quando pelo contrário, os fatores internos se revestem de um valor negativo pela sua ausência ou inadequação, estamos perante fraquezas que deverão tanto quanto possível ser eliminadas, ou pelo menos minimizadas e compensadas. Pensamos em ameaças quando um valor negativo surge associado aos fatores externos, devendo estas, tanto quanto possível ser antecipadas e evitadas.

Se pensarmos nas etapas do processo empreendedor, desde a seleção da ideia, percebemos que, estando os aspetos básicos de conhecimentos e capacidades específicas do empreendedor asseguradas, frequentemente o insucesso surge associado a falhas no planeamento, pelo que insistimos na utilidade do Plano de Negócios enquanto instrumento de apoio. Após a implementação do negócio, mesmo com um planeamento adequado, uma monitorização e controlo ineficaz pode comprometer o sucesso do empreendimento, pelo que destacamos a importância de implementar medidas de controlo ao nível das práticas contabilísticas, inventários, qualidade, prazos de entrega, que ajudem a uma boa manutenção do negócio.